[ editar artigo]

Perdas suportáveis e humildade. O que os valores por trás da Páscoa ensinam sobre governança na nova economia?

Perdas suportáveis e humildade. O que os valores por trás da Páscoa ensinam sobre governança na nova economia?

Páscoa é uma festa cristã de celebração da ressureição de Cristo, que marcou sua passagem na História pela humildade e pelo sacrifício.

Na semana que passou, em evento do IBGC em Curitiba, Flávio Pripas nos lembrou a teoria de Saras Sarasvathy de PERDAS SUPORTÁVEIS como elemento fundamental para negócios na veloz economia.

Segundo Sarasvathy, empreendedores tomam melhores decisões se partirem de três elementos:
1. Entender sua personalidade e seus desejos (Quem sou eu?)
2. Conhecer melhor sobre suas competências, inclusive aquelas que precisa desenvolver (O que eu sei?)
3. Entender sua rede de suporte, com foco no seu fortalecimento (Quem eu conheço?)

A primeira questão é abordada no quadrante do Board Canvas que trata de Valores. Esse foi o quadrante mais difícil de ser criado e trabalhado em comunidade. A governança no early stage é muito íntima dos valores pessoais dos empreendedores, mas isso não é tão simples de tratar. Afinal, valores relacionados a Páscoa ou conceitos assim são pouco tangíveis.

Há coisas que não dá mais tempo de explicar. Tem a ver com sensibilidade, com inteligência situacional (falei situacional e não artificial) e com uma coisinha que está ficando cada vez mais dicífil... ser humano, no sentido mais fundamental dessas duas palavras.

Altivez demais, ego ou dificuldade de ouvir talvez sejam razões que precisam ser encaradas de frente pelos boards. Há algum tempo escrevi que um empreendedor deve acreditar e entregar um negócio independente do que as pessoas dizem. Mas não deve fazer isso sozinho!

Complicado entender? Pois é, a Páscoa também não é sobre chocolates, mas lembramos e cultivamos mais eles do que os valores que deram origem à data. Talvez por esta questão básica: chocolates são tangíveis!

Então, como tornar a humildade um valor claro e tangível em negócios velozes? Vamos enfrentar muito desse tema no módulo 2 do MasterClass G&NE, que vai rolar nesta terça e quarta lá no Cubo!

Sobre o tema aprendi algo muito legal com Vitor Torres da Contabilizei: as pessoas sempre podem tomar decisões mais humildes!

Mas, em geral, elas tendem a tomar decisões pensando em si. Se conseguirmos que elas tomem decisões pensando em seu time, em vez delas próprias, provavelmente serão decisões mais humildes.

Pode ser melhor: podemos fazer com que as decisões de cada um sejam tomadas pensando na empresa e não no time. Assim, seremos mais humildes, certo?

Mas será que podemos ser ainda melhores? Podemos fazer com que todas as nossas decisões sejam tomadas pensando não só no time ou na empresa, mas no CLIENTE?

Caso a resposta seja sim, estaremos exercitando um dos princípios básicos que o cristianismo nos ensina: a humildade! Que toma forma através de ritos, como foi a ressurreição. Isso é forte o suficiente para enfrentar qualquer crescimento. Pode atravessar gerações e marcar o mundo.

Feliz Páscoa!

 

 

Governança & Nova Economia
Ler matéria completa
Indicados para você