[ editar artigo]

As 24 lições das cartas anuais de Warren Buffett aos acionistas

As 24 lições das cartas anuais de Warren Buffett aos acionistas

#nadataoNOVOnadataoVELHO! Todos os anos, Warren Buffett escreve uma carta aberta aos acionistas da Berkshire Hathaway. Nos últimos 40 anos, essas cartas tornaram-se uma leitura anual obrigatória em todo o mundo dos investimentos, fornecendo insights sobre como Buffett e sua equipe pensam sobre tudo, desde estratégia de investimento até compra de ações, cultura corporativa e muito mais. 

Aos 26 anos, o corretor e professor de Nebraska chamado Warren Buffett pegou seu “fundo de aposentadoria” de US $ 174.000 e decidiu começar seu próprio negócio de investimento.

Duas décadas depois, ele era um bilionário.

Hoje, o patrimônio líquido do “Oráculo de Omaha” é de quase US $ 83 bilhões - tornando-o a terceira pessoa mais rica do mundo, depois de Jeff Bezos (outro CEO conhecido por suas cartas de acionistas) e Bill Gates.

A empresa de Buffet, Berkshire Hathaway, detém quase 10% de participação em empresas gigantes como Coca-Cola e Wells Fargo. Também possui 50 subsidiárias que possuem mais de 200 subsidiárias, incluindo Geico (adquirida em 1996), Dairy Queen (1997) e Fruit of the Loom (2001).

Muitas das aquisições da Berkshire, no entanto, não foram de nomes familiares. O portfólio da empresa está repleto de sucessos discretos, incluindo o See's Candy, que Buffett comprou por US $ 25 milhões em 1972 (e que gerou mais de US $ 1,65 bilhão em lucro nas próximas décadas).

Os investidores de sua empresa também foram recompensados. Desde 1965, o preço da ação Classe A da Berkshire aumentou em mais de 2.400.000%. Ele retornou um ganho composto médio de mais de 20% ao ano - significativamente melhor do que os 9,7% desfrutados pelo S & P 500 (com dividendos incluídos) no mesmo período.

Não é de admirar que Buffett publique uma tabela atualizada do desempenho por ação da Berkshire junto com o índice de ações no início da carta de cada ano.

Além de algumas vitórias tremendas, o próprio Buffett é, de certa forma, outro sucesso discreto. Ele prega a importância da responsabilidade fiscal e ainda mora na casa que comprou em Omaha por US $ 31.000 em 1938. Ele come no McDonald's e bebe “pelo menos cinco porções de 12 onças” da Coca-Cola todos os dias.

Essa qualidade realista também aparece nas cartas de Buffett. Entre as contas das atuais participações da Berkshire, ele conta piadas, compartilha anedotas e relata aforismos interessantes para ajudar a esclarecer seus pontos principais.

Ele zomba de si mesmo por cometer erros e elogia o exército de gerentes-chefes da Berkshire. Ele oferece uma filosofia de investimento baseada não em análises financeiras complicadas, mas frequentemente em avaliações baseadas no senso comum sobre o que uma empresa em particular vale.

O resultado é uma coleção eminentemente citável de sabedoria de investimento, como:  “Preço é o que você paga, valor é o que você ganha.” (2008);  “Para os investidores como um todo, os retornos diminuem conforme o movimento aumenta.” (2005); "Tenha medo quando os outros são gananciosos e gananciosos apenas quando os outros estão com medo." (2004);  “Você só descobre quem está nadando nu quando a maré se apaga.” (2001).

Abaixo, desmembramos 24 das mais importantes lições das últimas quatro décadas das cartas de acionistas da Berkshire Hathaway.

Juntos, eles formam um compêndio das crenças e conselhos do homem amplamente considerado o maior investidor da história.

Compensação executiva:

Lição 1: Os executivos só devem comer o que matam

Lição 2: Não dê opções de ações a seus executivos como compensação

Propriedade de ações:

Lição 3: Comprar ações como proprietário, não como especulador

Lição 4: Não ignore o valor dos ativos intangíveis

Volatilidade do mercado

Lição 5: Ignorar movimentos de curto prazo nos preços das ações

Lição 6: Tenha medo quando os outros são gananciosos e gananciosos quando os outros estão com medo

Lição 7: Economize seu dinheiro em tempos de paz para poder comprar mais durante a guerra

Estratégia de investimento

Lição 8: Não invista em empresas que são muito complexas para entender completamente

Lição 9: Invista em empresas não visuais que criam produtos que as pessoas precisam

Lição 10: As recompras de ações costumam ser o melhor uso de dinheiro corporativo

Investimento de valor

Lição 11: Nunca invista porque você acha que uma empresa é uma barganha

Lição 12: Não invista apenas porque espera que uma empresa cresça

Lição 13: Nunca use seu próprio estoque para fazer aquisições

Economia global

Lição 14: A América não está em declínio - está se tornando mais e mais eficiente

Gestão

Lição 15: Abrace a virtude da preguiça

Lição 16: O tempo é o amigo do negócio maravilhoso, o inimigo dos medíocres

Lição 17: Instrumentos financeiros complexos são passivos perigosos

Lição 18: Incentivos aos bancos de investimento geralmente não são seus incentivos

Cultura da empresa

Lição 19: Os líderes devem viver da maneira que querem que seus funcionários vivam

Lição 20: Contrate pessoas que não precisam trabalhar novamente em suas vidas

Lição 21: Comitês de remuneração enviaram o pagamento do CEO para fora do controle

Dívida

Lição 22: Nunca use dinheiro emprestado para comprar ações

Lição 23: Pedir dinheiro emprestado quando é barato

Lição 24: Aumentar a dívida é como jogar roleta russa

 


** Nas próximas semanas vamos publicar a tradução de cada uma dessas cartas aqui na Comunidade.

** Traduzido por: Anderson Roberto Godzikowski, Curador da Comunidade e Autor do Livro Governança & Nova Economia. Investidor, Advisor, Conselheiro de Administração pela FDC, IBGC e Mestre em Governança Corporativa e Sustentabilidade. Criador do Board Canvas e do MasterClass G&NE, o mais inovador programa brasileiro de governança para a nova economia. 

** Publicado originalmente por CB Insights em http://bit.ly/CBINSIGHTS1

 

Governança & Nova Economia
Ler matéria completa
Indicados para você